63 ANOS DO CINE LUX DE POMBAL

4 jul 2017

Tudo começou no ano de 1953, quando o construtor Chiquinho Formiga iniciou a construção do Cine Lux, sendo inaugurado no ano seguinte com a presença do cantor Luiz Gonzaga. Localizado na Rua Jerônimo Rosado, o grande prédio tinha excelentes condições para projeções cinematográficas, sendo o local também aproveitado para show, peças de teatro, conferências, debates políticos etc. Em 1956, o cinema foi vendido para Afonso Mouta, que exibiu seu primeiro filme, denominado: “A Mulher que Perdi”, uma película mexicana, e,

logo em seguida, o novo proprietário fez uma reforma no prédio e inaugurou as projeções em cinemascope com o filme: “Os Cavaleiros da Távola Redonda”. Agora, a tela grande era o orgulho e o comentário da população pombalense, que tinha no cinema uma nova abertura para o conhecimento visual dos costumes, da vida social e comportamento de muitos países nunca antes vistos. O cinema usava sua própria energia, a motor diesel, instalado no próprio prédio, e o barulho do mesmo sempre denunciava para toda a vizinhança o início e o término de cada projeção. Inicialmente, as projeções estavam mais direcionadas para as películas americanas, faladas em inglês e legendadas em português. Os filmes de rei, amor, guerra, humor, as matinês com os gritos de Tarzan, western com índios e as grandes películas mexicanas, influenciavam claramente os frequentadores. Porém, o grande sucesso, devido à compreensão do público em geral, foi na exibição do primeiro filme brasileiro: “Metido a Bacana”, com Ankito e Grande Otelo. Depois, vieram às conhecidas chanchadas, produzidas pela produtora Atlântida, com Oscarito, Cyll Farney e Eliana, Anselmo Duarte, José Lewgoy, Zezé Macedo, Mazzarope, Zé Trindade, entre outros. O Cine Lux estabeleceu um mundo mágico em Pombal. Como único divertimento local, o bom gosto para exibições de clássicos cinematográficos, motivação sócio cultural, fez do prédio de cinema um ponto de encontro dos pombalenses.

Tocando as novidades dos últimos sucessos da discografia brasileira, os bons filmes deram abertura para as sessões matinais, vesperal, matinês e, naturalmente, com as sessões noturnas, que era o horário nobre das exibições, marcado pela suavidade da música ambiente e o silêncio da plateia, tudo isso dava a certeza da casa cheia. Na direção de Seu Afonso, José Cleôncio e Galdino, foram exibidos os melhores filmes do cinema da cinematografia mundial, lembrando que durante as projeções, eles estavam sempre a caminhar, entre a plateia, com uma lanterna na mão, mantendo a ordem e disciplina, que, apesar de tudo, não deixou que muitos filhos de Pombal, hoje, sejam resultados dos flertes, namoros e casamentos iniciados no “escurinho” do Cine Lux. Mas, finalmente, em 1983, o Cine Lux começou a sucumbir aos novos tempos. A grande influência da televisão com seus filmes, as badaladas novelas, o vídeo cassete… E o Cine Lux vai perdendo seu público, evidenciando a cada ano o seu declínio. Deixa de exibir filmes diariamente e alterna as projeções nos dias da semana, sem resultados compensatórios, e, sem nenhum incentivo, fecha suas portas em 1989. Localizado na Rua Jerônimo Rosado com esquina para a Rua João Pereira Fontes, o Cine Lux foi um grande marco na vida sociocultural de Pombal. Memorável e inesquecível a quem por ele passou.

Verneck Abrantes*

*Escritor e Historiador pombalense.

Comentários