Após votação contra ajuste fiscal, Feliciano confirma insatisfação do PDT com o governo

8 maio 2015

damiao_feliciano

Mesmo fazendo parte da base aliada e detendo o Ministério do Trabalho, o partido desde o início do ano deste ano mostrando desgaste com o governo federal

O PDT, como decidido em reunião entre os deputados federais do partido, votou de forma conjunta a o texto-base da Medida Provisória 665, que altera as regras de concessões de seguro-desemprego e abono salarial. Mesmo fazendo parte da base aliada e detendo o Ministério do Trabalho, sob o comando do ministro Manoel Dias, o PDT desde o início deste ano mostrando desgaste com o governo federal.

O deputado paraibano Damião Feliciano, confirmou a insatisfação do partido com o governo federal. Segundo ele, a votação em conjunto contra a MP 665 foi uma orientação partidária. Apesar das dissidências com o governo, o parlamentar afirmou que o motivo da votação contrária foi “em defesa dos trabalhadores brasileiros”.

A medida considerada impopular altera, por exemplo, o tempo mínimo para a solicitação do seguro-desemprego. O governo havia proposto originalmente ao Congresso um tempo mínimo de um ano e meio de trabalho para que o desempregado fizesse o primeiro pedido de benefício, mas o plenário da Câmara manteve a redução do prazo para um ano. Antes da nova regra a carência era de seis meses.

Outra alteração foi no caso do abono salarial. Para retirada do benefício é exigida o tempo de no mínimo três meses de trabalho. O governo queria aumentar para seis meses e antes da MP, era necessário apenas 30 dias.

A votação no plenário foi apertada e marcada por tumulto. Foram 252 votos a favor e 227 contra. O governo afirma que a medida, editada em dezembro de 2014 pela presidente Dilma Rousseff, é necessária para o ajuste fiscal que visa reequilibrar as contas públicas.

Portal Correio

Comentários