Artigo Prof. Gonçalo Pontes: A VIRTUALIDADE E A DEBILIDADE FAMILIAR!

10 mar 2018

A VIRTUALIDADE E A DEBILIDADE FAMILIAR!

Dia desses, aguardando um voo, deparei-me com um dos mais incríveis shows que já assisti em minha vida.

O artista principal, não tinha mais de dez anos de idade; os atores coadjuvantes, seus pais; os figurantes principais, seus dois irmãos; e uma plateia de mais ou menos uns cinquenta expectadores: alguns atentos e perplexos, e, ainda, outros com repugnação às cenas cinematográficas, pois continham agressividade, petulância e falta de educação ao extremo, algo que jamais tinha visto em meus cinquenta e três anos.

Tudo começou quando o genitor do ator principal se negou a lhe entregar o celular sob o “bizarro” pretexto de que a bateria estava quase descarregando.

Tal fato, fez àquela criança se exasperar e falar mal de tudo aquilo que um VERDADEIRO pai não pode ou não deve ouvir de um filho, sob o auspício silêncio e inércia de uma mãe ocupadíssima em seu smartphone. Não posso deixar também de ressaltar os olhos arregalados dos figurantes principais (os irmãos) diante daquela revolta do mais velho, certamente em atenção total àquela magistral aula, para poder amanhã utilizar todos aqueles brilhantes e inesquecíveis ensinamentos.

Meus queridos pais, quero convidá-los a refletirem comigo o papel da virtualidade na vida da família. O freio das rédeas dos valores, da atenção, da consideração, do amor pelos olhos nos olhos está esvaindo-se por culpa tão-somente nosso. Precisamos urgentemente saber se ainda funcionam.

Cadê os limites impostos por nossos pais que, por vezes, aprendemos de forma frustrada? É isso mesmo, está mais do que na hora de frustrarmos nossos filhos com “NÃOS” que ensinam e os protegem dos perigos e adversidades do amanhã! Está na hora de mostrá-los que um celular ou computador não podem tomar o nosso lugar para educá-los. Está na hora de pararmos de entregar celulares aos nossos filhos para nos livrar deles. Está na hora também de sermos exemplos quanto a isto.

Passou da hora de não mais respeitarmos o momento de nossas refeições e voltarmos a nos servir uns aos outros. Ah, que saudades do tempo em que se ouvia o pedido para se passar o arroz, o feijão, a carne e a verdura.

Gente, estamos encontrando tempo para priorizarmos a família, em detrimento à virtualidade, quando nos deparamos com um acidente GRAVE ou diante de um caixão de quem amamos para, só assim, dizer do fundo do coração o quão era importante àquela pessoa.

Ouvi de amigo, certa vez, que o beijo em testa fria é o beijo do arrependimento. Portanto, beijem as testas quentes enquanto assim ainda estão para que não haja arrependimento posterior.

Pais e mães amem-se mais.

Pais, mães e filhos, aproveitem-se mais.

Familiares, secundarizem o celular diante de quem ama.

Seres humanos, não deixem que a virtualidade mantenha vocês débeis.

Pensem nisso e até a próxima!

                                       Gonçalo Pontes Júnior

                                               PALESTRANTE

Comentários