Cássio abre o leque: “Oposição terá que ter mais do que um nome em 2018”

4 jul 2017

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB) voltou a falar que o campo das oposições deve ficar unido para as eleições de 2018, em sucessão ao governo do Estado. Segundo ele, existem bons nomes da aliança feita em 2014 que só serão postos à mesa e discutidos no próximo ano. Mas, para Cássio, melhor que o nome é preciso se ter um projeto para o Estado e este deve ser o critério para a escolha. Cássio surpreendeu ao citar, Ele enfatizou que o projeto pela oposição terá que ter mais do que um nome para disputar o governo do Estado em 2018.

O projeto ao qual o senador se refere deve conter melhorias para a saúde, educação, segurança pública e, principalmente, para a economia, pois, segundo ele, as atitudes do atual governo têm contribuído para o aumento do desemprego na Paraíba.

Cássio ressaltou que as medidas são recessivas e de aumento de impostos como o ICMS, ICMS de energia, de TV por assinatura, IPVA, entre outros, e que agora o consumidor terá que pagar uma taxa para poder pagar os seus impostos.

– A partir de agora, o consumidor terá que pagar uma taxa para pagar seus impostos. Se ele realiza qualquer compra, vai ser obrigado a recolher para o Estado uma taxa de três centavos sobre a nota fiscal emitida. É um imposto absurdo, injusto e regressivo, porque os mesmos três centavos que o mais rico empresário vai pagar pela emissão da NF, o desempregado ou assalariado também paga – explicou.

Ele enfatizou que o projeto pela oposição terá que ter mais do que um nome para disputar o governo do Estado: “Deverá ter uma proposta para enfrentar o desemprego e os desafios da saúde, educação e segurança pública”.

Rádio Correio FM e paraibaonline
Com Polêmica Paraíba

Comentários