COMO O VOTO É LIVRE?

3 abr 2017

severino_coelho_viana

Um amigo nosso, com curso de nível superior, pertencente a outro partido político, na última eleição geral, votou no deputado estadual de outra sigla porque o prefeito apoio.

No deputado Federal votou no candidato do seu partido porque prefeito apoio, caso contrário, teria votado noutro candidato.

Para Senador da República, tinha dois votos. O primeiro, votou no senador do seu partido; o segundo, votou no senador que o prefeito apoiou.

Para governador, começou apoiando um candidato a governador, mas acabou votando no candidato que o Prefeito apoiou.

Para Presidente da República votou no candidato que o Prefeito apoiou, que foi um pedido do candidato a governador e uma súplica do candidato a senador, que era apoiado pelo candidato a deputado federal, e este por sua vez era aliado do candidato a deputado estadual.

Resumo: a única coisa que não prevaleceu foi sua livre escolha.

Um letrado agiu assim, imagine o semianalfabeto e o analfabeto, que moram na periferia da cidade, que não tem feijão na panela, falta carne, carência de tudo. O filho não frequenta escola, bairro sem infraestrutura. O sossego noturno é ouvir o tiroteio na favela vizinha. E o filho um forte concorrente à trombadinha.

Só recebe a visita de um candidato de quatro em quatro anos, oferecendo telha, tijolo, cimento, dentadura, quitando a despesa da água e da energia atrasada, presenteando com uma camiseta e fazendo uma doação de R$ 20,00 (vinte reais).

Responda-me uma coisa: esses eleitores podem cobrar o que do representante que comprou o mandato?

No tempo de eleição divulga o nome da salvador da Pátria, a generosidade do candidato, o amigo do pobre, o sofredor que passa e conhece os mesmos problemas da miséria.

Ah! Ia me esquecendo! E cabo eleitoral que deu a sua abocanhada? O que é que se pode dizer disso tudo.

No exercício do mandato ouvimos falar de falcatrua, cambalacho, maracutaia, corrupção, desvio de verba, obras superfaturas e inacabadas.

E continua votando e votando sempre.

Então, este é um país de Mãe Preta e Pai João!

João Pessoa – PB, 2017.
SEVERINO COELHO VIANA

Comentários