Em 1ª missa aberta no Brasil, papa chama dinheiro, poder, sucesso e prazer de ídolos passageiros

24 jul 2013

O papa Francisco afirmou, na missa celebrada nesta quarta-feira (24) no Santuário de Aparecida, no interior de São Paulo, que o dinheiro, o poder, o sucesso e o prazer são “ídolos passageiros”. “É verdade que hoje mais ou menos todas as pessoas e também os nossos jovens experimentam o fascínio de tantos ídolos que se colocam no lugar de deus e parecem dar esperança: dinheiro, poder, sucesso e prazer. Frequentemente, uma sensação de solidão e de vazio entra no coração de muitos e conduz à busca de compensações, destes ídolos passageiros”, afirmou o pontífice.

Essa é a primeira missa aberta ao público celebrada pelo papa no Brasil. Ontem, ele rezou uma missa privada para cardeais e freiras na residência Assunção, no Rio, onde está hospedado.

Ele chegou ao Rio de Janeiro na última segunda-feira (22) e deve retornar ao Vaticano no próximo domingo (28). O papa Francisco chegou por volta das 10h35 ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição Aparecida.

No ambiente conhecido como Capela dos 12 Apóstolos, ele venerou a imagem de Nossa Senhora. Essa é a primeira vez que um papa entra na sala e faz esta oração. A imagem venerada foi encontrada no rio Paraíba em 1717 e fica exposta em uma caixa de vidro blindado.

Na oração, o papa pediu pelos jovens e pela Jornada Mundial da Juventude. Ele também pediu que Nossa Senhora acompanhe e gue os devotos dela, principalmente nos momentos mais difíceis. Ao final, depositou flores junto à imagem.

Para Franciso, é necessária uma “visão positiva da realidade” apara auxiliar os jovens a encontrarem seu caminho. “Eles [jovens] são um motor potente para a Igreja e para a sociedade. Eles precisam que lhes sejam propostos valores imateriais, que são o coração de um povo”, afirmou.

O papa disse ainda que o cristão não pode ter “cara de luto”. “O cristão é alegre, nunca está triste. Deus no acompanha. Temos uma mãe que sempre intercede pela vida de seus filhos”, disse o pontífice. “Jesus nos mostrou que a face de Deus é a de um pai que nos ama. O pecado e a morte foram derrotados. O cristão não pode ser pessimista, não pode ter cara de luto.”

Apaixonados por Cristo

Ainda durante a homilia, o papa afirmou que estar “apaixonado por Cristo” enche o coração dos critãos de alegria. “Se estivermos verdadeiramente apaixonados por Cristo e sentirmos que ele nos ama, o coração se encherá de alegria e contagiará quem está do nosso lado. Nos comprometemos a fazer o que Jesus nos disser. O faremos com esperança, confiantes na surpresa de Deus e cheios de alegria. Assim seja”, disse Francisco ao encerrar sua reflexão.

A visita a Aparecida foi um pedido pessoal do papa, devoto de Maria. O Santuário Nacional de Nossa Senhora da Conceição Aparecida foi inaugurado em 1980 pelo papa João Paulo 2º, o primeiro sumo pontífice a pisar em solo brasileiro. Em 2007, recebeu a visita de Bento 16.

A missa foi celebrada dentro do Santuário para 15 mil fiéis, e não no pátio externo, para 250 mil –o Vaticano assim determinou alegando razões de segurança. Dos 15 mil que puderam acompanhar a missa no interior da igreja, cerca de 3.000 são convidados, autoridades e religiosos. As outras 12 mil pessoas tiveram de madrugar para tentar conseguir um lugar. Todos tiveram de passar pelo detector de metais.

Bomba

No domingo (21), uma bomba caseira foi encontrada por uma equipe da FAB (Força Aérea Brasileira), em um dos banheiros do Santuário Nacional de Nossa Senhora de Aparecida, durante uma inspeção prévia à visita do papa. A FAB acionou o Esquadrão Antibombas do Grupo de Ações Táticas Especiais da Polícia Militar de São Paulo, que detonou o explosivo na segunda-feira (22).

A segurança em Aparecida ficará a cargo de 1.800 policiais militares deslocados pelo governo do Estado. A operação de segurança terá o apoio de três helicópteros e 55 viaturas, além de bombeiros e médicos.

A passagem do papa Francisco deve atrair mais de 200 mil pessoas à cidade, segundo estimativas do governo estadual. A previsão é que o público supere inclusive o total alcançado nas passagens dos papas Bento 16 –150 mil em 2007–, e João Paulo 2º –200 mil em 1980–, pela cidade do interior paulista.

Protestos

O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto, o Movimento Periferia Ativa e a Frente Nacional de Movimentos Trabalhadores sem-teto convocaram uma manifestação durante a passagem do papa por Aparecida. O protesto está marcado para começar às 9h30, perto da basílica de Aparecida, onde estará Francisco. O objetivo dos manifestantes é divulgar a luta pela moradia urbana. Eles esperam um posicionamento da Igreja Católica sobre os despejos de moradores para a construção de obras da Copa do Mundo de 2014.

Em nota divulgada para convocar o protesto, os três movimentos sociais afirmam que o discurso do papa, no qual ele ressalta que uma “igreja pobre para os pobres”, é um avanço, mas que é preciso um aceno do pontífice.

Agenda

Quando voltar à capital fluminense, o papa fará uma visita ao Hospital São Francisco de Assis, na Usina, zona norte do Rio de Janeiro. A chegada de Francisco no local está agendada para as 18h30. No local, deveria ser inaugurado um centro de reabilitação de dependentes químicos.

No entanto, a obra, que é considerada o principal legado da Jornada Mundial da Juventude não ficou pronta a tempo do início do evento. Por conta disso, o papa vai ao hospital conversar com dependentes químicos já atendidos por entidades religiosas e conhecer as instalações atuais e as que estão em reforma.  Após a visita, o papa volta para a Residência Assunção.

Larissa Leiros Baroni
Do UOL, em Aparecida

Comentários