ESTOU ME SUICIDANDO

10 fev 2014

Os alquimistas das ciências médicas afirmam desde tempos imemoriais que, morremos um pouco a cada segundo. Se todos nós temos um fim físico, um tempo de estada neste belo planeta Terra, nada mais óbvio que a morte, mesmo que temporária para uns, ou definitiva para outros.

Esse fim, no entanto, é discutido de maneira religiosa, filosófica, acadêmica, metafísica e biológica de diversas maneiras, sendo aceito por diversos pensadores que não é certo que o próprio possuidor do que chamamos de vida, ponha um the end a esta oportunidade evolucionária, ou a esta dádiva divina ou simplesmente e este existir.

Apesar de muitos pensarem assim, o suicídio é o ato mais praticado em nosso planeta em todos os tempos. Não falo daquele suicídio que não tem mais jeito, onde o ser vai e pula de uma ponte ou deixa que um projétil desalme sua estrutura celular e ponha em colapso seus órgãos vitais.

A referência no presente escrito é ao suicídio lento, gradual e seguro ao qual quase todos estão praticando, na medida em que não seguem determinadas normas médicas, cidadãs ou de outras origens.

O exemplo de um suicida dentro das normas cidadãs é aquele sujeito que continua bebendo e dirigindo, cortando sinais de trânsito, correndo com seu veículo ou brigando e até mesmo usando drogas ou praticando roubos e ilícitos. É uma espécie de suicídio, pois todos nós sabemos que essas práticas levam quase sempre a morte.

Vou citar o meu caso particular, que certamente encontrará similitude em muitas pessoas. Sou hipertenso, tomo medicação e, vez por outra como aquela gostosa pipoca no cinema e outras comidas portadoras de sódio. Ao não seguir a recomendação médica de evitar o sal, estou sim cometendo suicídio. Se um dia desencarnar em decorrência de problemas relacionados à hipertensão, terei sido o único responsável por minha própria morte.

E o mesmo acontece com a ingestão de açúcar e outros alimentos, que são nocivos a minha saúde, mas que continuam a fazer parte de minha dieta e, consequentemente, pavimentam a estrada da morte, uma vez que poderei em decorrência destas infringências médicas, bater biela e dar tchau a presente existência.

Sei também que posso morrer de alguma coisa que não tenha nada a ver com as que estou desobedecendo e que esse suicídio lento, gradual e seguro que estou cometendo, pode ocorrer já com idade avançada, não se constituindo nenhuma grande perda em termos do que tinha que fazer por aqui.

Em todo caso, com o avanço dos anos, a desaceleração das atividades e ampliação da consciência, tendemos a obedecer mais e mais às prescrições médicas e ir diminuindo os riscos, mas, o próprio avançar, nos empurra inevitavelmente para a vala comum das doenças degenerativas.

O melhor é ter uma dieta saudável desde a juventude, procurando o equilíbrio propalado pela macrobiótica e a pureza do vegetarianismo ou do veganismo, que serão as dietas do futuro. Além, é claro, de não beber, fumar, brigar, matar, roubar, coisas que desde o arco da velha, em textos bíblicos, já avisavam serem bombas destruidoras e matadoras.

A vida não é sem graça sem essas coisas e sem essas comidas que acham gostosas demais. A vida será sempre bela quando todos perceberem olhando para dentro, que é lá onde reside a verdadeira felicidade.

Comentários