HOMENAGEM AO ESCRITOR BRASILEIRO

28 jul 2017

CLEMILDO BRUNET*

Quão bela é a arte de escrever. Aquele que se dedica a esse ofício na verdade o faz por amor. Eu costumo comparar o escritor com as pessoas que gostam de ler, se não tiverem aplicação a leitura jamais terão conhecimento. Mesmo assim é o escritor, se não houver interesse em esmerar-se um pouco mais para escrever, jamais desenvolverá sua habilidade nessa área. Quem ler aprende e quem escreve tem também de aplicar-se a leitura e obter conhecimentos, tanto nas obras da literatura propriamente dita como nas de conhecimentos científicos.

Há um vasto universo de riqueza literária a ser explorado, como também existe o escritor que na sua visão começa desde cedo a dedicar-se a cada tipo de literatura, pois, por serem muitas, elas podem se dividir em textos científicos, que comprovam as teorias, bem como em textos literários tais como: Romance, comédia, suspense, poemas, poesias, biografias, músicas, novelas, obras de arte, literatura de cordel, histórias infantis, histórias em quadrinhos, cinema dentre outras.

A homenagem ao escritor da nossa amada pátria se deu por volta dos anos 60, por iniciativa de João Peregrino Júnior e Jorge Amado, quando foi realizado o Primeiro Festival do Escritor Brasileiro, organizado pela União Brasileira de Escritores, pois ambos eram Presidente e Vice Presidente, respectivamente, tendo sido escolhido o dia 25 de julho para homenagear nacionalmente o escritor brasileiro.

O avanço tecnológico com o advento cibernético tem arrefecido um pouco o trabalho dos nossos escritores, porque em razão do mundo virtual, tanto crianças como adultos têm perdido o contato com os livros, por os mesmos estarem ocupando o tempo, em grande parte, no computador ou na televisão. Muitos escritores brasileiros encontram dificuldades para publicar suas obras. Por esse motivo muitos outros se descuidaram na publicação de seus textos deixando de primar pela qualidade do que escrevem, haja vista que muitas dessas obras são transcritas de modo gratuito via online na rede mundial de computadores (Internet).

Há dez anos, já naquele tempo quando tínhamos um número reduzido de computadores nos lares, foi constatado por uma pesquisa feita pela Câmara Brasileira da Indústria do Livro, comprovando que cerca de 61% dos adultos alfabetizados do país mantinham pouco contatos com os livros, enquanto que a camada mais baixa da população, cerca de seis milhões e meio de pessoas, alegavam não ter condições de adquirir livros.

Nos dias atuais em nosso Brasil existem mais de trinta projetos de incentivo à leitura de livros, além de bibliotecas públicas com acervos bibliográficos; sendo o PNLL (Plano Nacional do Livro e Leitura) o mais importante, oferecendo apoio aos escritores, defendendo seus direitos autorais, abonando o apoio as publicações de novos autores, investindo em traduções, mantendo premiações e bolsas de incentivos.

Ai de nós se não fossem os nossos escritores, pois como teríamos o conhecimento da nossa história do passado, do nosso cotidiano e de tantas belezas das nossas vegetações, rios, mares, serras e planícies que são decantados em versos, poemas, poesias e canto? Por estas e outras razões presto minha homenagem aos nossos escritores, pois dos seus escritos é que extraímos as lições mais belas da vida.

Nossos aplausos aos escritores brasileiros salve, pois a data de 25 de julho, dedicada em sua homenagem!

Pombal, sexta feira, 28/07/2017

*Radialista e Escritor

Comentários