Música, palestra e documentário marcam primeiro dia do “Paraíba Cultural”

4 jun 2013

O auditório do Fórum Cível “desembargador Mário Moacyr Porto” virou um templo da arte nordestina na tarde desta segunda-feira (3), e assim será até quinta (6). Durante os quatro dias, Zé Marcolino, Lourdes Ramalho e Sivuca serão enaltecidos pelas obras deixadas na poesia, música e teatro brasileiro, numa homenagem que o projeto “Paraíba Cultural” faz a esses grandes artistas que, até na execução do hino nacional, esbanjam qualidade, a exemplo da apresentação lírica da jovem Maria Cândida, acompanhada por Sibelius Donato, no teclado.

O evento é uma promoção do Tribunal de Justiça da Paraíba, através da Escola Superior da Magistratura (Esma), em parceria com a Rádio Tabajara. A presidente do TJPB, desembargadora Fátima Bezerra Cavalcanti, ressaltou a valorização que o TJPB faz à pessoa humana, tanto nos julgamentos dos processos como na integração social e cultural. “Proporcionamos alguns minutos de música e poesia a todos que transitam no Fórum para melhorar a qualidade de trabalho e de vida das pessoas”, afirmou.

Como conseqüência, o Judiciário se aproxima da sociedade, objetivo inicial do projeto, conforme destacou o diretor da Esma, desembargador Luiz Silvio Ramalho Júnior.

A superintendente da Rádio Tabajara, Maria Eduarda Santos, externou gratidão pelo reconhecimento que o Poder Judiciário dá ao rádio, pelo significado que o veículo representa na vida dos paraibanos. “Não temos palavras para descrever esse momento. Estamos muito felizes!”, declarou.

O diretor de operação e programação da Tabajara, Cristóvão Tadeu, acrescentou que “o evento tem grande importância na divulgação dos 76 anos de história da Tabajara”.

O secretário de Cultura do Estado, Chico César, acredita que a união de órgãos como o Poder Judiciário e um tradicional veículo de comunicação em prol da cultura possibilita a realização de boas obras pela sociedade. “As pessoas sentem que a comunicação do Estado pertence a elas, que a Justiça é acessível a elas. E a cultura é importante para a afirmação da cidadania e do sentimento de pertença à Paraíba”, ressaltou.

O músico Adeildo Vieira apresentou um repertório que, além das músicas dele, promoveu a audiência dos artistas locais Kennedy Costa, Escurinho, Milton Dornelas e Paulo Ró. “Esse é um momento de celebração da cena cultural da Paraíba”, considerou.

Também dividiram o talento com a plateia os artistas Josenildo Ribeiro, com apresentação de saxofone, Gusthavo Ribeiro, com violão de sete cordas e Gonçalo Júnior, que fez a palestra motivacional “A Felicidade”.

Tabajara – A Rádio Tabajara é parceira do projeto e, segundo o juiz Onaldo Rocha de Queiroga, da Comissão Organizadora do evento, um grande veículo fomentador e divulgador da cultura paraibana, ao longo de sua história. Durante os quatro dias de evento, há uma exposição permanente com documentários e atrações desenvolvidas pelos profissionais que trabalham na Rádio.

Além de Onaldo Queiroga, fazem parte da Comissão a diretora do Fórum Cível da Capital, a juíza Agamenildes Arruda Vieira Dantas, a gerente Acadêmica da Esma, professora Fátima Pessoa, e a radialista Maria Eduarda Santos, superintendente da Tabajara.

Amanhã (6), será a homenagem a José Marcolino Alves. Natural de Sumé, revelou-se um apaixonado pelas tradições nordestinas, tendo em suas músicas evidenciado a paisagem do Cariri e a fortaleza de seu povo. O xote, “Numa sala de reboco”, em parceria com Luiz Gonzaga, é uma das músicas mais executadas no cancioneiro nordestino.

[portfolio_slideshow]

Comentários