O Brasil piora a cada dia

6 maio 2017

Antes do Lula deixar o poder não se descuidou em deixar uma lei em que ninguém mais vai preso.

Um dia desses, seus amigos no STF votaram uma lei complementar para o caso:

“ o infrator só pode ser preso depois do julgamento da 2ª Instancia. Essa medida visa corrigir possíveis erros ocorridos no julgamento da 1ª instancia”.

Nós estamos cansados de saber como funciona a morosidade da justiça brasileira, que para uns anda rápida demais e para outros, lenta até demais.

Quem regula o tempo é a influencia e o dinheiro dos envolvidos.

Um processo na 1ª Instancia leva no mínimo de 3 a 5 anos; na 2ª Instancia outro tanto. E aí, então, o sujeito irá preso – quer dizer de 6 a 10 anos.

Por exemplo, um processo de cobrança, com contrato firmado entre as partes, pode levar até 30 anos e mais, o devedor pode, ainda, entrar com uma ação que “antecede uma ação de cobrança” – quer dizer, a cobrança vai durar indefinadamente nos corredores da justiça. E pode também os bens envolvidos virar questões de herança, herdeiros, falência, extinção, etc.

Lula e Dilma colocaram gente sua no STF – assim aconselhou o falecido Fidel e o Hugo Chavez. Esse pessoal está sob o salto ideológico desses guerrilheiros.

Durante o seu longo tempo no poder Lula tratou de se arrumar e permitiu que seus auxiliares se arrumassem, desviando dinheiro publico e guardando-os bem no exterior. É uma fortuna incalculável.

Assim sendo, os seus amigos do STF começam a soltar aqueles condenados da corrupção da 1ª Instancia porque eles não foram julgados na 2ª Instancia – tudo dentro da lei – lei da safadeza – lei previamente adotada para beneficio deles.

Assim o tempo vai passando, vem aí 2018, novas eleições e nada vai ter um ponto final nessa historia toda. O que se sabe, que com a desculpa de ideologia – democracia – direitos humanos, etc – o povo brasileiro foi roubado, e parado no tempo e no espaço.

As favelas como ponto de partida para os movimentos políticos

Faz muito tempo que se percebeu uma estreita ligação entre o trafico de drogas e os partidos políticos do Brasil – como uma droga de favores entre ambos.

Assim sendo, nos morros, os partidos políticos aliciam os menores infratores, que são inimputáveis e podem tudo, até matar, e jogam essa gentalha contra a sociedade, na depredação de lojas, queima de ônibus, e assaltos a mão armada.

É por isso que ninguém mexe com o ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente – pois os menores infratores são usados pelos partidos ideológicos para atacar a sociedade em uma ataque terrorista e subversivo.

Como pode um bandido desses, que de fuzil na mão atira na sociedade, enquanto um jovem de bem, religioso, vive em casa estudando para o seu progresso e para o progresso do Brasil é nivelado em direitos com esse bandido ?

Se fosse em outro país os snipper da policia já teriam eliminado esses assassinos que ficam de tocaia no cimo dos morros.

Encerrando:

– o governo Temer faz parte da laia do governo Lula – não espere nada de bom. Estão apenas dando um tempo para que as coisas se acomodem e o povo cada vez pior em sua maneira de viver.

Não se tem escolas, não se pode andar na rua, não se pode ter uma loja, não se pode viajar de carro, não se pode parar em hotéis na beira das estradas, não se pode morar em um sitio, porque você fará parte de mais uma estatística fatídica estampada nas páginas dos jornais.

O crime virou moda na sociedade brasileira.

Só falam em reformas e mais reformas e ninguém detém a sanha gananciosa por dinheiro da classe política, que se aposenta com 8 anos e ainda estende todos os benefícios de aposentadoria e planos de saúde a pessoas da família, com até 32 anos de idade.

E pode juntar dinheiro para gastar 2 bilhões de reais que serão doados a 35 partidos políticos em 2017, sem ainda somarmos a grana de 10 milhões mensais para os tais movimentos sociais como o MST, Sem Teto, etc.

O Brasil virou uma farra de gastança com a grana pública e o trabalhador sem direito a nada, nem mesmo uma sepultura.

Vamos ver até que ponto esses vagabundos vão mandar por aqui.

alfredo bonessi

Alfredo Jorge Bonessi

Comentários