O Novo Arraes

20 mar 2013

O Novo Arraes

Escreveu: Francisco Alves Cardoso – 20/03/2013

O Partido Socialista Brasileiro sempre sonhou com a presidência da República, desde os tempos de Miguel Arraes, mas, atendendo pedido das esquerdas, não foi candidato, para facilitar a vida do PT de Lula.

Depois da morte de Arraes, o PSB passou a ser presidido pelo neto, Eduardo Campos, atual governador de Pernambuco, que sonha em ser chefe da nação brasileira. Ele sabe que a vez é essa, pois está no governo, com o poder de Pernambuco.

E esse avanço socialista começou em 2010, já que o PSB elegeu seis governadores de estado: Pernambuco, Ceará, Paraíba, Espírito Santo, Amapá e Piauí.


Sentindo que o PSB tem chances de disputar a presidência, em 2014, Eduardo Campos avançou o sinal e desafiou o PT, principalmente por conta de alguns pontos fracos de Dilma para a reeleição, como a violência, a inflação e a saúde.

Mas, também encontrou caminhos tortuosos, como a negação de Ciro e Cid Gomes, no Ceará, que já declararam não apoiar Eduardo, preferindo a reeleição do PT. Esse é o troco da queimação de Ciro, em 2010.

O governador Pernambucano é um articulista de primeira grandeza. Já conseguiu o apoio de alguns partidos como o PPS, do amigo Roberto Freire, o PMN e o antigo PCB.

Mas Campos quer mais, e tenta o ex-governador de São Paulo, José Serra, para ser o seu vice. Toda essa articulação está sendo feita por Roberto Freire, que é amigo fiel de Serra e de Eduardo.

O governador tem pontos de grande importância para fazer a sua campanha crescer: o alto índice de aprovação do seu governo em Pernambuco, a facilidade de promover articulação política, o crescimento do socialismo na América Latina e o fácil tirocínio administrativo num provável debate com os demais candidatos, destacando-se Aécio Neves e a própria Dilma.

Eduardo quer fazer do avô a bandeira de campanha para presidente. E precisa ter um vice de São Paulo, com forte penetração no eleitorado das regiões Sul e Centro-Oeste.

O sonho do neto de Arraes é levar a eleição para o segundo turno, para ganhar pontos valiosos no debate. É uma águia na política. A eleição do prefeito de Recife, em 2012, foi a demonstração da sua capacidade de agir numa campanha eleitoral.

Ele prega que o Governo Federal pode fazer mais do que Dilma está fazendo. É um desafio profundo ao governo do PT.

Sem sombra de dúvidas, ele é um forte candidato a presidente da República. Está fazendo o seu partido um dos maiores do Brasil.

Comentários