O VALOR INESTIMÁVEL DA VIDA

29 ago 2017

clemildo-brunet
CLEMILDO BRUNET*

Desde quando a vida pode ser avaliada? Muitos consideram a vida de somenos importância e passam a dar mais valor ao que possui em detrimento da própria existência. Quantos que se matam e deixam-se morrer por nada. Mas, o que é vida? Alguns ao invés de agradecer esse dom inefável do Criador se maldizem: Isso é lá vida! Outros, porém fazem de tudo e lutam por ela com consciência de preservá-la na esperança de um tempo promissor.

Mas, o que é vida? Aurélio, além de outras definições, de modo sintético diz: “O espaço de tempo que vai do nascimento à morte; existência”. Nessa mesma linha de pensamento o Apóstolo Tiago indaga e responde: “Que é a vossa vida? Sois, apenas, como neblina que aparece por instante e logo se dissipa”. Tg.4:14. Jesus Cristo valoriza a vida como dádiva preciosa de Deus providenciando os meios para o seu sustento. Ele pontua a nossa vida do seguinte modo: “… Não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber nem pelo vosso corpo quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que as vestes? Mt. 6:25.

Como dádiva divina a vida nos foi dada por Deus, por esta razão nos é tirado o direito de subestima-la ou destruí-la seja qual for à maneira que utilizemos para tal fim. A sua vida, a minha e a de todo ser humano neste planeta é mais importante que o mundo e seus bens materiais; a pergunta de Jesus ecoa em nossos dias. “De que vale o homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma, ou que dará o homem em troca de sua alma”?

Não podemos ocultar que a vida não tenha seus altos e baixos. Por que existe tanta especulação no mercado financeiro nos nossos dias no que diz respeito às crises econômicas que se abatem até sobre nações poderosas como os Estados Unidos e outros países neste planeta? Quais os reais motivos que levam os nossos políticos aqui no Brasil a se corromperem e serem corrompidos?

Há uma inversão de valores no nosso cotidiano. È o momento da pressa, do consumismo, do egocentrismo, o crédito pessoal não fica atrás, não sabemos como escapar da realidade e como encontrarmos uma saída para os nossos problemas que são enormes. A geração de nossos jovens não estar preparada para enfrentar tanta crise, porque se deixa levar por uma perspectiva de felicidade o tempo todo, sem si dar conta das responsabilidades que deve ter para com suas obrigações e seus semelhantes.

A desigualdade em termos sociais no mundo tem propiciado um estado de vida preocupante. Criaram o mito que a felicidade é um direito de todos. Muitos de classe avantajada financeiramente tiveram o privilégio de estudarem em bons colégios, faculdades em detrimentos de outros que não tiveram condições de alcançar tais objetivos. Daí o conflito existente no mundo. Estamos vivendo a fase do salve-se quem puder.

A vida tem sido alimentada mais por malefícios, o que tem ocasionado – estresse, ansiedade, incerteza, abandono, solidão, tristeza e conflitos. Eis que aprendemos errado quando nos disseram que para construir não se precisa de esforço algum, no entanto escaramos a vida constrangidos, quando nos dizem que é preciso ralar para conquistar um espaço no mundo.

VIVA A VIDA! ELA É BELA!

Pombal, 26/08/2017

*Radialista, Blogueiro e Escritor

Comentários