Soneto: UM PAÍS À DERIVA

18 jul 2017

deriva

Em pesadelo intenso, eis o país!
É no momento, como todos vemos,
Um barco sem o leme e sem os remos,
À deriva, sem uma diretriz!

Seu povo vê a vaga e nada diz
Pois, não compreende seus extremos,
Salva-vida só uns têm, enquanto vemos
O barco se safando por um triz.

Nessas águas revoltas, vamos nós
Por no lugar alguém, tipo albatroz,
Com porte pra vencer a tempestade!

E assim passado todo furacão
Que tenhamos aprendido a lição
E que pratique a coletividade.

Medeiros Braga

Comentários