UM RELICÁRIO DE EMOÇÕES

4 set 2017

“Relicário” é o belo título do mais recente livro do jovem e tarimbado escritor bonfinense Edvan Cajuhy, atual presidente da Academia de Letras de Senhor do Bonfim.

Versátil, dono de estilo próprio, o autor sabe transitar entre prosa e poesia com a mesma desenvoltura, tendo já comprovado seu talento em obras de reconhecido valor literário. Assim tem sido desde seu primeiro trabalho, “Palavras, simplesmente palavras” (em poesia), seguido de “Balaio de gatos” (em prosa), e agora “Relicário”, (novamente em poesia).

“Relicário” é tudo que se espera de uma boa obra de arte. Tem beleza e originalidade. É leve, porém profundo. Cada uma de suas páginas é um mundo novo que se apresenta, revelando um eu lírico que pulsa com a máxima intensidade. Nele vê-se o poeta por inteiro, desnudo, livre de qualquer amarra, como que a abarcar de um só trago toda a imensidão do seu universo subjetivo.

Palavras e versos vibram e passeiam de um canto a outro, emprestando o tom da obra e repercutindo o canto do vate (tal qual passarinho), que quer falar de si, do mundo, das coisas, das pessoas; que quer externar suas paixões, seus amores, seus dissabores; que quer transformar em realidade sonhos aparentemente impossíveis; que quer colorir o mundo todo, cobrindo-o de flores e sentido; que quer proclamar aos quatro ventos que só a beleza é capaz de salvar.

“Relicário” é, todo ele, inspirado em experiências vividas, cenas do cotidiano, gente do povo, paisagens inóspitas, pingos de chuva, borboletas azuis, folhas secas, fotografias amareladas, montes solitários, diários de bordo, noites de estrelas, velhas e pacatas cidades, tudo coisa à primeira vista trivial, mas que no olhar do poeta se avoluma e ganha significado.

Dividido por temas, o livro parece refletir o mesmo itinerário do autor, situando-o entre dois polos definidores: o sentimental e o espiritual. É assim que na intimidade do seu eu profundo, vemos o poeta buscar o consolo de eros, admirando o crepúsculo sobre as águas silenciosas do tempo; ou percorrer mundos distantes, escalando montanhas até matar a sede de infinito; ou ainda correr ao encontro do abraço amigo, como que a procurar no rosto do homem o rosto luminoso de Deus.

Mais do que de tinta e papel, “Relicário” é feito de corpo, de alma e sentimento. Antes de ser livro, foi amor, foi dor e foi paixão. Tão vivo, tão verdadeiro e tão original, parece ter surgido do sopro vital do poeta, tal qual aquele fiat divino que deu origem à criação do mundo.

Por José Gonçalves do Nascimento

relicarioemocoes

Comentários