Virão outros “João de Manezim”?

5 jun 2013

 João, o “Manezim” de Cajazeiras

O município de Cajazeiras, no sertão da Paraíba, amanheceu mais triste com a notícia da morte do folclórico João Rodrigues, o popular “João de Manezim”.

Carnavalesco assumido, João de Manezim sempre fez parte do calendário festivo da cidade, em diversos momentos, seja no carnaval, nos bailes, nos clubes, no Estádio Perpetão ou no Higino, ou onde quer que sua personalidade e presença fossem solicitadas, tudo era motivo de euforia e alegria por parte da população cajazeirense.

 João, o equilibrista

Lá vem a batucada de João de Manezim! Era assim que muitos mencionavam a chegada do ilustre João com sua comitiva formada por jovens carentes de Cajazeiras, que com seus tambores e instrumentos, às vezes improvisados, faziam o som, conduziam a batida entre as bailarinas jeitosas, que dançavam no embalo da batucada, sob a regência da batuta e do apito do “Maestro Manezim”.

 João, o goleiro

João de Manezim era a mistura de tudo um pouco no cenário artístico e popular. Já foi vereador na década de 1970, com o singelo slogan “Ruim por ruim, vote em João de Manezim, número onze seiscentos e dois pauzim”, já foi goleiro de algum time amador da cidade, já passou horas a fio se equilibrando em cima de uma bicicleta na Praça Camilo de Holanda, já foi batuqueiro, já foi maestro, enfim, foi e sempre será o eterno JOÃO DE MANEZIM.

 João, o político*

Não se torna popular e se personifica como figura folclórica de um determinado lugar por acaso, e nesse sentido, João de Manezim preenche todos os requisitos, assim como outros grandes vultos populares de nossa região, alguns que se foram, outros que permanecem, esperando um dia em que todos estarão reunidos no Reino Celestial, fazendo a algazarra alegre e festiva de sempre, ao som da trilha sonora da batucada de João de Manezim.

As perguntas que ficam no ar, e que muitos possam fazer neste e noutros momentos são: virão outros João de Manezim? Estará alguém no futuro, mesmo que um dos seus inúmeros discípulos da batucada, propício a conduzir e a carregar essa herança cultural de grande valor deixada pelo saudoso João? Acredito que ele foi/será um ser único, insubstituível, com inúmeras particularidades, mas aguardo e guardo que alguém possa dar continuísmo a sua irreverência e descontração, animando os eternos carnavais de rua e outros eventos em Cajazeiras.

Álisson Oliveira
ahalisson@gmail.com

Fotos: AC2B, Cajazeiras de Amor (Reudesman Lopes)

*foto tirada recentemente em um dos gabinetes de Brasília, por ocasião de sua viagem à capital federal, pois o mesmo só exerceu o mandato de vereador em páginas anteriores, no município de Cajazeiras (PB).

Comentários