A cangaceira Aristeia Soares

3 abr 2013

A CANGACEIRA ARISTEIA SOARES

Extraído do livro: Moreno e Durvinha, sangue, amor e fuga no cangaço.
Autoria João de Sousa Lima

A fazenda Lajeiro do Boi, em Canapí era sempre visitada tanto por cangaceiros quanto por policiais. Os proprietários desta fazenda era o casal José soares e Maria dos Santos Lima. Eles tiveram sete filhos: Eleonora, Benedita, Dasdôres, Valdemira, Luiza, Maria, Aristéia e Antenor. Todos nascidos no Capiá da igrejinha, local onde fica a fazenda Lajeiro do Boi.
A policia passava com freqüência na fazenda Lajeiro do Boi. Em uma dessas passagens, um dos policiais ofendeu verbalmente ao velho patriarca dos “Soares”, enquanto ele descansava no alpendre da casa se aproximou uma volante e um dos soldados falou:
– Oh veio feio da peste!
– Cada qual como Deus fez! Retrancou José Soares!
– É verdade! Atalhou um soldado mais consciente!
Em outra ocasião, outra volante comandada pelo aspirante Porfírio espancou o velho José Soares e o filho Antenor, tendo este último sua orelha cortada, sendo atingido pela coronha de um mosquetão. De tal castigo, com seus 97 anos de idade, Antenor guarda a cicatriz co remorso e revolta pela pena sofrida.
Porfírio, além de ferir os moradores da fazenda do Boi, espancou várias pessoas da fazenda Talhada, seguindo até a fazenda Pedra D’água onde mataram Ramos.
Vizinho fazenda Lajeiro do Boi, ficava a fazenda Poço do Boi e foi nesta fazenda onde Benjamim Abrahão se encontrou com o bando de lampião para realizar as famosas fotografias e as filmagens. Benjamim passava dias instalados na casa de Francelino, onde se dirigia sempre uma velha baraúna com pretexto de fotografar Otacilia, filha de Francelino, usando a velha árvore como desculpa para os encontros amorosos que vinha tendo com a filha do dono da fazenda.
Das filhas do casal José Soares e Maria Santos Lima, duas engrossaram as fileiras do cangaceirismo. Uma indo por prazer, outra sendo forçada. A primeira a entrar no bando foi Eleonora. Ela seguiu o cangaceiro Serra Branca.

Aristéia Soares de Lima nasceu em 23 de junho de 1916 ( dia que se comemora a festa de São João ) e lembra-se bem da passagem dos cangaceiros Corisco, Virgínio e Luiz Pedro em sua casa, sendo que por diversas vezes, outros cruzaram o terreiro da fazenda Lajeiro do Boi.
Tendo seu nome envolvido como coiteira de cangaceiros e temendo a ação vingativa dos policiais,Aristeia fugiu pra fazenda alto vermelho,entre lajinha e campo,próximo a Santana do Ipanema,indo refugiar-se na casa das tias Mariinha, Zifina,Santa e Maria Grande. Por essa época, Eleonora já se cobria com a mescla azul e os bornais enfeitados com os desenhos de flores coloridas.
Cícero garrincha já tinha certa queda por Aristéia e assim que abraçou a nova vida do cangaço começou a rondar a fazenda da família da moça. Em uma dessas passagens, ele foi avisado pela amiga Celina, da localização de Aristéia. Cícero seguiu pra fazenda alto vermelho e depois de conversar com a escolhida, sem usar a força, conseguiu que ela, mesmo contra sua vontade, acompanhasse o cangaceiro.
O novo casal seguiu ao encontro do grupo de moreno que os aguardava no coito conhecido por pilão das “pêia junta”, próximo á casa de Aristéia. No esconderijo, Aristéia foi festivamente recebida. Durvalina manejou a velha máquina de costura e fez um vestido pra nova amiga, completando o figurino com bornais floridos e um chapéu de feltro.
Logo após a entrada de Aristéia, suas primas Sebastiana e Quitéria seguiram os cangaceiros moita brava e pedra roxa.
Descrição: https://blogger.googleusercontent.com/tracker/2391434193314255791-521736666675559190?l=ahistoriadearisteia.blogspot.com
CAPIÁ DA IGREJINHA,
Zé Soares, primo de Aristéia, jovem de dezesseis anos, na companhia do amigo Pedro Tomáz seguiam para roça quando avistaram alguns cangaceiros que deram com a mão chamando-os. O irmão chamou Zé para correr. Zé falou que se corressem podiam morrer. Os dói foram ao encontro dos cangaceiros. O cangaceiro pedra roxa foi logo identificado pelos irmãos. Pedra indagou aos jovens:
– Quem tinha na casa de Pedro Jaquinta?
– Tinha uma mulher!
– O que ela tava fazendo?
– tava torrando umas pipocas!
– Volte e traga uma cuia cheia de pipoca pra gente!
Os rapazes voltaram e quando deram o recado á mulher, ela caiu assustada.
Zé Soares apressou-se
-Avia (se apresse ) Carolina!
Ainda no chão a mulher respondeu:
– Pegue ai, meu filho!
Zé pegou a cuia e levou até o cangaceiro.
– Oi só tem o torrero!
– Tá bom, ta bom! Volte e traga um machado pra eu tirar uma abelha que eu achei aqui!
Zé voltou, encontrando a mulher ainda no chão, tentando se recuperar do susto.
– Levanta Carolina, me dá um machado que a coisa tá apertando!
– Pegue aí debaixo do banco!

Zé entregou o machado a Pedra roxa e o cangaceiro obrigou Pedro Tomáz a tirar o mel. A empreita entrou pela noite, gastando o rapaz, duas caixas de fósforos para clarear e fazer fumaça, espantando as abelhas.
De repente um barulho foi ouvido e um farol clareou os cangaceiros e os rapazes. Era um caminhão abarrotado de soldados. Os cangaceiros se abaixaram e por muita sorte não foram avistados. Refeitos do susto os cangaceiros foram saborear o mel. Pedra Roxa se aproximou dos dois irmãos e alertou:
– Olhe, vão embora, mais se conversarem que me viram, passam por essa daqui (apontando a boca do mosquetão )!
– Eu por mim me garanto, só não garanto por este daqui!Falou Pedro Tomáz.
Diante do embaraço da resposta do irmão, Zé ficou sem palavras para se defender. O cangaceiro ameaçou o jovem:
– Qué dizê, rapaz, que você é assim? Você agora achou! Você agora vai aprender a viver!
No momento de angústia, Zé Soares se lembrou da padroeira do Capiá a quem ele venerava : “ Valha-me Nossa Senhora Divina Pastora “ Clamou Zé, silenciosamente.
Com pensamento na santa, as palavras vieram e ele disse:
-Mais Pedro como é que você diz uma coisa dessas comigo, eu tenho visto esses homens muitas vezes, estando com você e nunca falei nem pra minha mãe!
Foram as palavras salvadoras. O cangaceiro reconheceu que estava seguro.
Os jovens puderam seguir o caminho de volta. No trajeto Zé reclamou de Pedro.
– Mais Pedro como é que você fala uma coisa dessas comigo?
– Agente com medo não Sab o que diz!
A escuridão da noite era testemunha de uma conversa de amigo cobrava de um amigo a sua lealdade e a justificativa do medo servia para pedir perdão e ser perdoado.
Nota: Relato colhido pelo autor , no dia 25 de janeiro de 2007, em noite festiva, na novena consagrada á Divina Pastora, no Capiá da Igrejinha. Canapí, Alagoas, Presente a ex-cangaceira Aristéia e o próprio Zé Soares.
Descrição: https://blogger.googleusercontent.com/tracker/2391434193314255791-184143708771167372?l=ahistoriadearisteia.blogspot.com
ARISTÉIA CHORA A MORTE DA IRMÃ, A CANGACEIRA ELEONORA
Eleonora vivia com o cangaceiro Serra Branca, que chefiava um grupo de aproximadamente cinco cangaceiros. Grupo esse pouco conhecido por viver sempre escondido nas terras alagoanas. Os cangaceiros desse bando não ganharam destaque em combates, saques e nem crimes, fugindo da realidade do mundo que cercava os caminhos dos cangaceirismo, vida cheia de entrechoques perigosos e violentos.
No dia 20 de fevereiro de 1938, com as rodagens cercadas por policiais, que davam segurança e proteção ao interventor Dr. Osmar Loureiro, de viagem pelos sertões alagoanos, o tenente João Bezerra deixará sua volante nas proximidades do Inhapí, ao cômodo do soldado Juvêncio, totalizando nove homens no grupo, que estavam arranchados perto de uma cacimba.
Os soldados estavam bem á vontade ao redor da cacimba, desarreados dos bornais, chapéus e cartucheiras, estando alguns sem alparcatas.
Com o amanhecer, entre nove dez horas, enquanto Antonio Jacó tirava água do riacho, ele observou um cachorro que se aproximou da cacimba e desconfiou que, pela ornamentada coleira que possuía, só podia ser cachorro de cangaceiro. Os soldados tinham realmente razão, era o grupo de Serra Branca que vinha se aproximando.
O chefe trazia nas costa, uma banda de bode, sendo seguido pela mulher Eleonora e mais dois companheiros, entre eles o Ameaça Antonio Jacó viu quando o soldado Cornélio levantou-se e empunhou o fuzil, se preparando para atirar, enquanto ele ajeitava, na cintura, suas cartucheiras com vinte e cinco cartuchos. O tiro zoou, partindo da arma de Cornélio Jacó correu em perseguição aos cangaceiros, sendo acompanhado pelo soldado Zé Gomes. Na frente de Antonio Jacó corria o cangaceiro Serra Branca e na frente tentava fugir Eleonora. Jacó gritou:
-Se vira cabra, pra brigar. Se vira pra brigar!
(Acompanhem a perseguição sendo relatada pelo próprio Antonio Jacó):- Eu atirando, atirando e correndo. Aqui e acolá ele ( o cangaceiro ) se virava, dava um tiro e corria. Até que ele se apadrinhou numa catingueira, mas ficou assim meio de fora eu tive a oportunidade de atirar bem nele. A bala pegou assim na altura da pá com as costelas e saiu do outro lado, ele se torceu, jogou a banda de bode prum lado e correu. Ai eu vi que tinha ferido ele, porque das costas saia sangue. Quando ele saiu correndo eu sai na carreira atrás dele de novo. Adiante tinha um riacho, ele pulou embaixo, já com pouca força. O riacho tinha assim um metro e meio de fundura, mais tava seco. Na carreira que eu ia nem deu para parar na ribanceira do riacho. Ele tava com o rifle armado e pronto para atirar e como não deu pra mim parar eu pulei encima dele. Ele assombrou-se com o que viu e ocorreu. Quando ele virou as costas, ai eu aproveitei e pá. Ele caiu debruçado. Mais eu i que ele não tinha morrido. Quando ele caiu, a mulher que ia na frente dele viu que ele não podia mais correr, virou-se abriu os braços. Não sei por que ela abriu os braços assim, porque foi tudo rápido, não deu para pensar em nada. Naquele instante, Zé Baixinho vinha atrás de mim e eu não sabia que ele vinha atrás de mim, acompanhando aquela correria toda. Zé Baixinho que vinha correndo mirou o mosquetão e atirou na mulher de braços abertos e acertou bem no meio da testa. Foi um tiro só. A mulher tombou no chão na mesma hora.
O soldado Zé Baixinho aproximou-se de Serra Branca. O cangaceiro apesar do tiro que havia tomado levantou-se e atirou. Zé Baixinho caiu entre os matos. Antonio Jacó atirou no estômago do cangaceiro acabando de matá-lo. Zé Baixinho levantou-se apenas atordoado pelo susto do tiro, sem ser ferido. Antonio Jacó cortou a cabeça do casal, amarrou um crânio no outro pelos cabelos e retomou trazendo os dois troféus, na direção da cacimba, onde estavam arranchados. Na cacimba, Cornélio estava com a cabeça do cangaceiro Ameaça, separada do corpo cortada por facão. O tenente João Bezerra que estava um pouco distante na hora do tiroteio, mas que havia ouvido os tiros, já se encontrava na cacimba quando Antonio Jacó foi avistado seguindo por dentro do riacho, trazendo as cabeças e os pertences dos cangaceiros. Os soldados levantaram as cabeças cortadas mostrando-as aos amigos. Depois de alguns minutos de conversa, diante da observação do tenente João Bezerra, foi que eles foram ver que Antonio Jacó tinha perseguido os cangaceiros, estando descalço, sem camisa e sem chapéu.
Os soldado retornaram pra piranhas, transportando as cabeças. De Piranha foram pra pedra de Delmiro e de lá seguiram pra Santana di Ipanema, onde entregaram as cabeças aos coronéis Zé Lucena e Teodoro de Camargo Nascimento. Os coronéis deram a patente de cabo a Antonio Jacó repassou a patente para o amigo Juvêncio.
Em Santana do Ipanema, os soldados Cornélio, Zé Baixinho, Elias, Octácilio, Zé Gomes e mais alguns companheiros, prestaram contas aos seus superiores hierárquicos, tendo por provas os crânios das vitimas abatidas em combate.
Entre as macambiras espinhentas da caatinga, três corpos alimentavam animais selvagens, enquanto na fazenda Lajeiro do Boi, os pais de Eleonora sofriam a perda de uma filha querida. Aristéia soube através dos coiteiros da morte da irmã e por ela verteu lágrimas sentidas.
O padre Demuriês, que celebrava a missa na região de Mata Grande, Canapí, Inhapí e nas fazendas circunvizinhas, criava em segredo o filho de Eleonora e Serra Branca, um menino chamado Francisco de Sá. Assim que o padre ficou sabendo da morte da amiga cangaceira, convocou alguns fiéis e foi, em segredo, enterrar Eleonora. O padre chegou com facilidade onde estava o corpo, sendo auxiliado por vaqueiros conhecedores da região. No local, o Ministro de Deus encomendou o corpo e o enterrou em côa rasa aberta na urgente necessidade do momento e coberta por facheiros e macambiras, deixando sepultada uma vitima que antes de tudo fazia parte de sua vida, ficando, por recordação da amiga, um filho deixado por ela.
Descrição: https://blogger.googleusercontent.com/tracker/2391434193314255791-20842775836736257?l=ahistoriadearisteia.blogspot.com
A MORTE DOS CANGACEIROS ZÉ VEIO E CÍCERO GARRINCHA
Moreno e seu grupo empreenderam uma viagem em direção á Santana do Ipanema, saindo das proximidades da fazenda Lajeiro do Boi. No percurso, os catingueiros tiveram que passar nos pastos, fazenda com o mesmo nome do local onde morreram Eleonora, Serra Branca e Ameaça. Cícero Garrincha e Aristéia seguiam um pouco na frente do grupo, atravessando as veredas, soltando sorrisos de contentamento, curtindo a festividade da aparente gravidez, de poucos meses, da cangaceira.
Moreno, sempre arisco, seguia concentrado no caminho e preparado para as surpresas que pudesse aparecer (e elas sempre apareciam ).
Apesar de cedo do dia, o sol alardeava seus raios trêmulos sobre a terra, castigando os galhos pontiagudos e as folhas secas da caatinga. Os cangaceiros riscavam com suas “percatas” ferradas, os empoeirados atalhos alagoanos.
Os risos de Aristéia disfarçava a triste dor que perpassava a condição de sofrimento da ida bandoleira do cangaço, feito sentença cumprida na solidão e no abandono dos carrascais poeirentos dos materiais lúgubres, que geravam as ações continua de fuga, onde se igualavam atacantes e atacados.
Um pouco mais na frente, fechando a passagem de vereda por onde seguiam os cangaceiros, soldados armavam uma emboscada. Escondidos e protegidos entre as pedras e as vegetações mais salientes, eles aguardavam o momento de atacar os inimigos.
Os cangaceiros seguiam em direção á armadilha, sem desconfiar da cilada armada. Poucos passos depois, na aparente serenidade da caminhada, tiros ecoaram, calando risos e gerando tumultos. Moreno e João Garrincha agacharam-se e retribuíram os disparos, colocando as mulheres em suas retas-guardas, longe dos possíveis ferimentos. Travou-se acirrado tiroteio.
Um pouco á frente de Moreno, um cangaceiro atingido pelos primeiro disparos, agonizava. Poucos segundos depois, o cangaceiro Zé Velho, apelidado de pontaria, dava seus derradeiros suspiros. Um pouco atrás de Zé Velho, Cícero Garrincha, o Catingueira, também tombava crivado por balas.
Aristéia avistou Cícero Garrincha se arrastando, procurando sair do raio de ação dos disparos realizados pelos policiais.
Aos poucos, o matraquear intermitente das armas foram ficando compassados. Os soldados foram silenciando seus armamentos e fugindo do campo de batalha. Zé Velho tombara morto, crivado pelas minúsculas ogivas de chumbo disparadas. Cícero Garrincha levantou-se depois de muito esforço. Suas roupas estavam completamente encharcadas de sangue. Moreno se aproximou de Cícero Garrincha e, junto com João Garrincha, o transportaram para um local mais seguro. Aristéia lembrou-se do velho ditado sertanejo: “Muito riso é prenúncio de muita dor”.
Os cangaceiros seguiram a trilha de volta, buscando socorrer o amigo que cambaleava apoiando nos ombros dos dois fiéis amigos. Com algumas centenas de metros, já exaustos, os cangaceiros pararam. Cícero Garrincha foi colocado em uma sombra e sua camisa foi aberta dando visão ao estrago causado pelo tiro. A caixa torácica foi parcialmente destruída pelos estilhaços de uma mortal bala. Os companheiros assustaram-se diante da visão do ferimento, onde viam o coração pulsando. A respiração ofegante do baleado, expulsava jatos de sangue, pelo largo orifício da contusão. O cangaceiro pediu água, Moreno argumentou que água naquele momento causaria danos piores, podendo levá-lo rapidamente á morte. Durvalina tirou de dentro de um dos bornais um vidro de “saúde da mulher” um composto usado quando das cólicas menstruais. Um capucho de algodão foi ensopado por Durvalina na solução e passado nos lábios do moribundo cangaceiro, por seguintes vezes o chumaço de algodão foi embebido no remédio e aliviado a secura dos lábios de Cícero Garrincha, enquanto seu coração arquejava descompassado, expulsando sangue borbulhante cada vez que respirava, sendo assistido por olhares assustados com a gravidade da lesão. Moreno sabia que a morte do amigo era questão de tempo. Cícero Garrincha também pressentiu o momento difícil porque estava passando. Ao lado do cangaceiro, Aristéia chorava sua angústia. Moreno olhou nos olhos de catingueira e perguntou:
– O que você quer que eu faça com sua mulher?
– Faça o que Deus quiser!Se pudé deixe ela com a família!
– Eu deixo!
A respiração de catingueira foi ficando insuficiente, o sangue banhava cada vez mais as mãos que segurava o corpo inquieto. O coração pulsava frágil e visível. O cangaceiro apertou com a mão, o braço de Moreno, pendeu a cabeça pro lado e expirou. As lágrimas rolaram nas faces angustiadas dos companheiros. João Garrincha assistiu, contrariado, a morte do irmão. Aristéia chorou amargamente sua perda, ostentando em sua barriga saliente, um órfão prestes a nascer. Moreno cavou, junto com a ajuda dos amigos, uma cova rasa e enterrou o companheiro, cobrindo a sepultura, com macambira e xique-xique cactáceos que enfeitam a paisagem rara do Sertão Nordestino.
Os cangaceiros seguiram outro caminho, inverso ao que vinham seguindo, fugindo de mais uma desagradável surpresa que, por ventura, pudesse acontecer. Ao local do combate, Moreno retornaria quatro dias depois, encontrando só a carcaça do corpo decepado do cangaceiro pontaria. A policia levou a cabeça, deixando o corpo para servir de comida para os bichos famintos das caatingas.
Descrição: https://blogger.googleusercontent.com/tracker/2391434193314255791-676580325285125063?l=ahistoriadearisteia.blogspot.com
NOS DIAS SEGUINTE

Durvalina tentou alegrar Aristéia de todas as formas possíveis, porém a dor da amiga era por demais recente inesquecível. Moreno escalou dois cangaceiros para levarem Aristéia onde ela escolhesse, cumprindo o prometido ao amigo Cícero Garrincha.
O cangaceiro cruzeiro passou a perseguir Aristéia, insistindo para ficar com ela. A cangaceira ainda abalada com a perda do marido recusou as propostas de cruzeiro. O dinheiro tirado dos bornais de catingueira, 50 contos de réis, foi costurado por Durvalina, na barra do vestido de Aristéia. A cangaceira pediu pra ir se entregar, pois se voltasse para família poderia ser morta. Moreno aceitou o pedido da companheira e mandou Boa Vista e Cruzeiro levá-la em Santana do Ipanema, local escolhido por ela. Os cangaceiros seguiram dentro do Máximo cuidado, escoltando Aristéia. Na fazenda pedra D’água, os cangaceiros pegaram um rapaz e mandaram que ele levasse a mulher até a cidade, pois não podiam se aproximar mais, pois, corriam o risco de serem presos ou mortos. O rapaz temeroso se recusou a atender ao pedido dos cangaceiros. Boa Vista se aproximou e jurou sangrar o garoto caso ele desobedecesse a sua ordem. O jovem sem opção seguiu escoltando Aristéia. Em Santana do Ipanema, diante dos olhares curiosos, Aristéia se entregou ao capitão Mané Vicente. O militar deixou a cangaceira em sala livre onde ela passou alguns meses. O moço portador, que havia ido apenas deixar a mulher na cidade, acabou sendo preso também. O senhor Ismael, de Alexandre, quando viu o rapaz preso, diante do absurdo da detenção, procurou o delegado e foi pedir para que ele soltasse o garoto, pois o conhecia e ele era guia de uma cega. O delegado ordenou a soltura do inocente e ele retornou pra fazenda, onde realmente servia de guia de uma senhora que vivia na escuridão por falta de visão.
No dia 15 de maio de 1938, Aristéia deu a luz ao filho dela e catingueira. O menino ganhou o mesmo nome do pai de Aristéia, José Soares. O filho ficou aos cuidados das tias de Aristéia. O menino depois que cresceu, ganhou o mesmo apelido que tinha o pai, catingueira.

No mês de julho, cubículo apertado, cercado por grades, Aristéia ouviu fogos de artifício estourados nos arredores da cidade. Diante dos gritos e do barulho formado, Aristéia e mais algumas mulheres que também estavam presas subiram em tamboretes e avistaram, ao longe, soldados que exibiam as cabeças de Lampião, Maria Bonita e mais alguns cangaceiros abatidos na Grota do Angico, em Sergipe. Foi essa a única vez que Aristéia viu Lampião, apesar de terem trilhado o mesmo caminho do cangaço.
Pedra Agra, Pedro Gaia e Pedro Soares, homens de recursos, tios de Aristéia, quando ficaram sabendo da prisão da sobrinha, reuniram-se e foram solta-la. A cangaceira ficou livre das grades, tendo apenas que permanecer na cidade, sem poder se ausentar, ficando sob ordens do coronel Lucena, que a enviou para casa das tias Mariinha, Zafina, Santo e Maria Grande, na fazenda Lajinha.
Os tios de Aristéia, Pedro Gaia e Pedro Soares residiam em Palmeira dos Índios, sendo que o primeiro tornou-se depois prefeito de Santana do Ipanema. Homens de influência política e publica usaram seus conhecimentos para deixarem a sobrinha sem os infortúnios das regras regidas dos detentos vindos dos diversos bandos de cangaceiro.
O coronel Lucena disse que Aristéia podia ir ficar na casa das tias, mas que não fosse procurar mais por cangaceiros. Aristéia respondeu que não havia mais cangaceiros vivos, pois Lampião havia morrido. Salvo desconhecimento da cangaceira, o seu ex chefe, o Moreno, percorria ainda, os mesmos esconderijos.
Na casa das tias, Aristéia ficou durante algum tempo, depois retornou pro Capiá da Igrejinha, seu paraíso de infância, deixando José Soares, seu filho, para ser criado pelas tias, todas elas, moças velhas.
Catingueirinha, quando já rapaz, deixou as tias e veio morar com a mãe biológica. Tornou-se um negociante de frutas, conhecidos por todos da região, levando seus produtos para serem vendidos nas feiras das localidades vizinhas. Em uma dessas viagens, demorou chegar em casa e a sua esposa aflita saiu em busca do marido, indo encontrá-lo na beira da estrada, gemendo e todo ensangüentado, falecendo no outro dia, crime realizado em 1964, por um amigo, que levou irrisória quantia, pela qual, mesmo sendo a pior qualidade de bandido, não e tira a vida da mais simples espécie. O salteador foi transferido para Maceió, depois que um dos primos de catingueirinha tentou invadir a cadeia para vingar do bárbaro assassinato, inconformado com a barbárie da morte de um jovem familiar.
Aristéia ainda vive, lúcida e forte, hoje aos cuidados do filho Pedro Soares, lembrando com facilidade dos fatos ocorridos que deixaram marcas profundas em seu curso de vida, sendo sempre aliviada pelo amor dos familiares e pelas correntes de orações que lhe são dedicadas em dia especial, em uma maravilhosa noite festiva, acontecida no Capiá da Igrejinha, em Canapí Alagoas, terras abençoadas e que ela carrega sempre no pensamento como se fosse parte sagrada do seu próprio corpo.

[portfolio_slideshow]

Comentários