A Eternidade do Teatro

27 mar 2013

A Eternidade do Teatro

Escreveu: Francisco Alves Cardoso – 27/03/2013

Nesta data de 27 de março, o mundo comemora o dia internacional do teatro, uma lembrança que cresce a cada ano, porque as artes cênicas são assim feitas pelo povo, com o povo e para o povo. É uma ação democrática mantida pelos povos ao longo dos séculos, para o bem das nações e das mentes humanas.

Em Cajazeiras vários movimentos de comemorações estão acontecendo nas escolas, grupos de trabalho e também no rádio, como maneira mais fácil de promover a divulgação dessa arte que atravessa séculos, cada vez mais popular.

O “Caldeirão Político” promoveu debate na noite do dia 26, na Rádio Oeste da Paraíba, com vários teatrólogos, atores e artistas, buscando a unidade da categoria para novas conquistas.

No ano de 1971, criamos na cidade de Sousa o TAS – Teatro de Amadores de Sousa, uma instituição que revolucionou a cultura daquela região, lançando vários festivais como o do teatro, do frevo e do samba, da poesia, sanfoneiros e com especialidade da canção, para todo o Nordeste.

O TAS coordenava todos esses movimentos culturais, envolvendo a juventude diretamente, nos vários focos do mundo culto, mostrando que o desenvolvimento geral passa pelas artes teatrais que continuam capitaneando esse tripé famoso: arte, cultura e desenvolvimento.

A Comunidade São Francisco, município de São João do Rio do Peixe, também realiza, na atualidade, um forte movimento cultural denominado FESMUZA – Festival de Músicas Gonzagueanas, e em agosto próximo promoverá a sexta edição, apresentando este ano movimentos diversos como II CONPOZAGÃO – Concurso de Poesia em Homenagem ao “Rei do Baião”, 1ª MISSA DO VAQUEIRO, e a implantação de Galerias, relembrando grandes figuras do mundo teatral e cultural, como forma de eternizar personalidades lendárias, desses campos de lutas corajosas e vocacionadas.

O dia internacional do teatro e também do circo é uma marca das nossas batalhas incansáveis, vencendo preconceitos, ultrapassando barreiras, criando novas lideranças artísticas e combatendo o ranço que ainda existe contra as artes cênicas.

Comentários