FATOS LAMENTÁVEIS

7 fev 2017

xilogravura

Fito os céus sem nimbos em época de seca,
Choro o abandono dos mortos pomares,
Dói em mim a sede da veiga desértica
Na impertinência dos raios solares.

Há festivo encontro de fartos abutres,
Carcaças retratam mortos numa guerra,
Enquanto as raízes das árvores se ardem
No calor pungente do corpo da terra.

Casebres fechados, esperanças mortas,
Esforços perdidos, horas mal vividas,
Reclamos expressos no livro do tempo
Por pessoas fartas de ilusões perdidas.

Aves e campônios famintos emigram
Em áreas estranhas, ambos exilados
Pelo tenso impacto da fome bravia,
Suprema rival dos desventurados.

Miseravelmente seres indefesos
Aflitos perecem, e não há quem some,
Cigarra estridula e urubu arpeja
Zombando das dores das vítimas da fome.

Notícias da fome sofrida por muitos
Depressa se espalham por muitas cidades
E chefes supremos negam remissões
Aos bravos supridos de necessidades.

jose-ribamar

(Poema: José Ribamar-Desenho: Wendel Ricardo)

Comentários