Gente das ruas de Pombal – Década de 1970 / Biíno: SEVERINO SERAFIM DA COSTA

25 jul 2016

Por Jerdivan Nóbrega de Araújo

Severino Serafim da Costa, Biíno, nasceu na Rua do Rosário no dia 06 de fevereiro de 1923, casou-se aos 33 nos de idade com Rita, mais conhecida como Mussum, então com 14 anos.

Rita, batizada com fumaça e cachaça nos batentes dos bares e cabarés de Pombal, era uma morena, “moça”, muito bonita, de olhar atraente, cabelos ao vento, cobiçada pelos muitos clientes de Noemi, cafetina e chefa do “Rói Couro de Pombal”, quando este ainda se chama de “Frejo.”.

Ela botou em Biíno um belo par de chifres, logo no terceiro ano do casamento. Foi este par de chifres colocado pela sua Dulcinéia, que o transformou no que o povo de Pombal passou a chamar de “pau d’água”. Entregou-se, o pobre homem, de corpo e alma as ruas, por onde perambulou e bebeu cachaça, tornando-se tão popular quanto os políticos que por ali passaram.

Mussum era uma morena bonita que chegou a Pombal através do velho trem “Maria fumaça”, vinda ninguém sabe de onde. Naquela época, graças à construção da Brasil Oiticica era comum as mulheres procurarem a cidade para se prostituir.

A Estação do trem era o local mais atraente para se arranjar uma namorada. Não tínhamos ainda o Cine Lux. De forma que o passeio na “Pedra da Estação” era o programa obrigatório dos jovens boêmios de Pombal.

Biíno era metido a galã, e por ser um dos melhores tocadores de fole de oito baixos da região, gozava da amizade e do respeito de outros boêmios. Andava muito bem arrumado, roupa nova, pente e espelho redondo no bolso da camisa. Usava óleo de ovo e lavanda Suíça, para dar mais brilho a sua cabeleireira.

Foi num desses bailes no frejo que a morena de olhar trigueiro, se apaixonou por ele, ao vê-lo fazendo malabarismo com seu fole, arrancando aplausos dos que assistiam ou rodopiavam no salão.

A linda morena pergunta para Zezinho de Caboclo: “Quem é este rapaz que toca tão bem este instrumento?”.

– É um rapaz daqui mesmo. Respondeu Zezinho Caboclo.

Minutos depois, Zezinho contou a Biíno que a bela morena havia simpatizado por ele.·.

Fim de festa, morto de cansado, sanfona na mochila, saiu o tocador para a sua casa, com o fole nas costas, e o pensamento naquela morena que nunca mais saiu do seu juízo.

No dia seguinte, Biíno foi à casa da rapariga Noemi, que morava a uns cem metros do Frejo, onde Mussum havia encontrado guarida. Encontrou-a numa sala, conversando com outras mulheres. Galã e conhecido no Rói Couro que era, foi recebido por Noemi ainda na porta, que o mandou entrar. Biíno logo a pediu Mussum em namoro.

Naquele tempo era assim: Ia-se direto ao compromisso. Ela respondeu que queria. Biíno perguntou qual a cidade que ela morava no Rio Grande do Norte, nome dos seus pais, o endereço completo. Dois dias depois, escreveu para seus pais enviando carta recomendada, pedindo os documentos como: batistério, registro de nascimento e o motivo da sua pretensão.

Doze dias depois teve a resposta. Recebeu uma carta onde continha todos os documentos pessoais da sua amada. Foi o bastante. Era o que ele queria.

Marcou o casamento e aproveitando as missões de Frei Damião, casou-se com Mussum na Igreja Matriz de São Pedro, bairro onde morou até sua morte.

Um frequentador de Rói e uma rapariga sendo abençoado pelo santo do povo sertanejo era impossível que não desse certo. Mesmo com a oposição ao feito por parte das “Filhas de Maria” que não admitiam que uma prostituta fosse abençoada por tão santa figura casório se deu
Talvez tenha sido estes ‘olhos de maldades’ que fez com que aquele casamento durasse tão pouco. Pois é: a sua convivência com Mussum foi breve. Viveu sete anos com ela. Com apenas três anos de casado, Mussum o traiu “com um cabra sem futuro. Um asilado do rói”.

Ferido e magoado, só não deixou a casa porque seus filhos ainda estavam muito pequenos. Continuou com ela, mesmo guardando no peito esta grande mágoa. Passou a beber mais ainda, sem ter hora certa para chegar em casa. Já não tocava mais seu Fole de Oito Baixos. Tudo mudou. Mussum também aprendeu a beber cachaça, não lhe obedecia mais. Fazia o que tinha vontade. Seu lar se desmoronou a proporção que os dias passavam.

Mais uma vez entra em cena o trem que, como mostrado anteriormente, leva e tráz os sonhos do povo de Pombal.

Foi exata no trem que a trouxe, que certo dia Mussum inventou uma viagem para Iguatu, contrariando a vontade de Biíno, e lá se deu mal. Decorridos dez dias mais ou menos, Biíno teve um mau pressentimento.

Foi exatamente numa tarde de Sexta-feira 13, que ele recebeu um telegrama, noticiando que Mussum havia falecido. Fora atropelada por um caminhão, tendo morte instantânea. Foram palavras cruéis textualmente contidas naquele telegrama entregue pelas mãos do carteiro Ribinha. Era o fim de tudo. Ficou mais deprimido ainda.

“Iracema, eu falava, você não escutava não. Iracema, você travessou contra mão…”.

Mussum foi sepultada no Ceará, em razão de não poder transportá-la para a cidade de Pombal. “Estava liso! Não tive dinheiro de vê-la pela última vez”. Disse ele.

Com a morte da sua amada, Biíno voltou para casa da sua mãe, no Bairro dos Pereiros, onde mora com o seu filho Titico e seu irmão Rói Couro que ganhou este nome em homenagem ao local onde nasceu e foi criado.

Biíno nunca mais seria nada: nem tocador, nem boêmio, só cachaceiro mesmo.

Biíno tinha das suas. Devoto de Frei Damião que é um dia alguém mandou que ele tomasse banho e trocasse de roupa, ele perguntou:

—Tem certeza que frei Damião vem hoje?

Pois é, para ele, tomar banho só se fosse para receber o santo da sua devoção.

Um dia, encontrou o prefeito no meio da rua, conversando numa roda de amigos. Não hesitou em ir até lá e pedir um trocado para tomar sua cachaça. O prefeito enfiou a mão no bolso e lhe deu muito mais do que ele esperava. Feliz, aproveitou para fazer o seguinte discurso de agradecimento:

―Isto é que é prefeito! A gente pede um ele dá dez. Também, dinheiro roubado da prefeitura…

gentedasruasdepombalbiino1 gentedasruasdepombalbiino2

Ps 1. Esse texto foi feito com base em entrevista realizada por Genival Severo com Biíno

Ps2. Obs 2 (Severino Serafim da Costa (Biíno), 06 de fevereiro de 1923 a 05 de dezembro de 2000

Ps3 . No Livro de mina autoria “NA TELA DO CINE LUX DE POMBAL” Imrell 2001 (FICÇÃ0) , Biíno é Prefeito e Mussun primeira dama de Pombal de Pombal

Comentários