TU, VALMIR

17 jul 2017

Escreveu: Francisco Alves Cardoso – 17/07/2017

valmir

Estava no Parque Cultural O Rei do Baião no dia 16 de agosto, um domingo, às dez horas da manhã, quando alguém que não lembro anunciou:

– Morreu Valmir Fumaça”!

Parei, olhei, senti e perguntei:

– Quem morreu?

– Valmir, pai do vereador Aldeone Abrantes.

Fui tomado pela emoção, as lágrimas escorreram pelo rosto, projetei a imagem de Valmir, relembrando a coragem do destemido desportista de grito forte.

Tu, Valmir, foi um mestre da minha luta na cidade de Sousa (PB), na defesa do nosso aguerrido futebol.

Tu, Valmir, foi o homem das bandeiras no ombro defendendo o esporte da “Terra (sempre gloriosa) de Bento Freire”.

Tu, Valmir, o pai do guerreiro Aldeone Abrantes, vitorioso nos campos paraibanos através da história e das conquistas do Sousa Esporte Clube.

Tu, Valmir, conselheiro desse que te fala nesse momento, com a alma, a coragem e o respeito.

Tu, Valmir, o eterno companheiro da rainha Dona Raimunda, mulher calma, humilde e linda como a mãe do Criador.

Tu, Valmir, não suportou tanta saudade e partiu eternamente para reencontrar a saudosa e amada esposa.

Tu, Valmir, que há dois anos esteve no Parque Cultural O Rei do Baião colocando a fotografia dela naquela instituição, como lembrança eterna.

Tu, Valmir, o comandante das torcidas organizadas do Sousa Esporte Clube, a maior alegria de sua vida.

Tu, Valmir, a bravura cívica do Bairro das Areias, levando o mundo esportivo com a bandeira criada pelo seu destemido filho Aldeone.

Sou um torcedor histórico do Sousa Esporte Clube, reconhecendo o “Reino dos Fumaça” como um pedaço desse torrão de coragem e de minha origem, que me orgulha para sempre.

Oh, Valmir! Como foi triste saber de sua morte. Mas vamos continuar a luta, eu aqui na Terra e você na eternidade. Depois nos encontraremos no Grande Reino para aumentar os habitantes da Sousa eterna, nos seus lugares mais honrosos e belos, junto com o Padre João Cartaxo Rolim, Maria Alves Pereira, Severino Cardoso de Araújo e a simpática rainha Dona Raimunda.

Quero Valmir no Parque O Rei do Baião recebendo o abraço do eterno Luiz Gonzaga, o maior dos reis na alegria da Asa Branca.

Do mais alto dos céus eleve a bandeira da paz, peça ao Deus Eterno para fazer Sousa mais poderosa, para ensinar as trajetórias da unificação e aumentar a nossa vontade para o trabalho, no caminho da esperança.

E a tu Valmir, minha triste despedida e o agradecimento, revivendo o tempo das ruas, relembrando o sentimento nobre dos filhos dentro das bandeiras esportivas, e as desculpas sinceras por momentos indiferentes nos campos da vida.

Que você use a fumaça da coragem para nos ajudar em nossas vitórias, a partir de agora. Sim, eu vou lhe ouvir todos os dias, horas e momentos.

Nunca se esqueça da gente. Não se esqueça de mim. Eu sou Chico Cardoso, do Caldeirão Político, eu sou o mesmo do grito de integração das classes.

Uau!

Comentários